segunda-feira, 25 de junho de 2007

Comentário sobre o livro Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários á prática educativa - Paulo Freire

O livro traz uma reflexão do autor sobre os saberes imprescindíveis à prática docente de educadores críticos, progressistas ou conservadores, independente da sua opção política. Paulo Freire salienta que educar não é a mera transferência de conhecimentos ao educando, mas de fornecer as ferramentas necessárias à construção do saber. Para ele, educar é como viver, exige a consciência do inacabado, bom senso, respeito ao educando, humildade, alegria e esperança, curiosidade (é algo inerente ao ser humano). O autor destaca que ensinar é uma especificidade humana, exige segurança, competência profissional, generosidade (considerada como uma qualidade indispensável ao professor), liberdade e autoridade, tomada de decisões (leva a autonomia), saber escutar, reconhecer que a educação é ideologica, disponibilidade para o diálogo, querer bem aos educandos. Enfatiza que a influência que o educador exerce na formação do educando é muito importante e que um simples gesto do professor pode significar muito, tanto de maneira positiva, quanto negativa.

A linguagem utilizada no texto é de fácil entendimento. A obra nos leva a uma reflexão profunda sobre a arte de ensinar e indispensável à prática educativa, contribuindo para a formação de profissionais da educação.

2 comentários:

MARGARETH disse...

É muito bom ter pessoas como vc disposto a ajudar, com o seu ponto de vista a essa leitura. saiba que tenho que fazer um trabalho e estav com grande dificuldade de entende a leitura deste livro mais ao ler o seu parecer, esclareceu bastante para mim. muito obrigado Deus abençoe você para sempre.

margareth disse...

É muito bom ter pessoas como vc disposto a ajudar, com o seu ponto de vista a essa leitura. saiba que tenho que fazer um trabalho e estav com grande dificuldade de entende a leitura deste livro mais ao ler o seu parecer, esclareceu bastante para mim. muito obrigado Deus abençoe você para sempre.